1/13/2008

Blogar é jamais ter que pedir perdão

Conversando com um grande amigo meu, que não é analista, sobre cinema pairou uma dúvida entre nós. Por que não falo mais vezes sobre cinema? Ele disse que adora Fellini e eu também. Ele disse que adora Godard, e eu acho tosco. Ele disse que adora Truffaut e eu também. Ele disse que adora Ridley Scott e eu também. Ele disse que gosta do filmeco do Al Gore, bem, eu além de detestar o documentário, não agüento mais ouvir falar em aquecimento global, essa balela. Ele disse que adora Hitchcock e eu também. Ele disse que adora Kubrick e eu também. Ele disse que adora Scorsese e eu, gosto, mas de uma fase mais antiga dele. Ele disse que gosta de Woody Allen e eu, adoro. Ele me convidou para assistirmos juntos "As Sombras de Goya". Quero ir. Vamos ver se gosto. Aí começamos a falar de filmes mais light de nossa adolescência. Para mim o que marcou foi o sessão da tarde Ferris Bueller´s Day Off (Curtindo a vida adoidado). Adorava a parte em que o Ferris dirigia aquela Ferrari. Para o meu amigo, repito, que não é analista, o que marcou foi Picardias Estudantis (santa tradução, Batman) com o Sean Penn. Falamos de trash movies (não nacionais, claro. Estes, todos o são). Ele disse que filme iraniano é trash, mas que sempre que encontra alguns amigos jornalistas fala bem das películas, fica cool (ai, meu saquinho, esse cool que me persegue). Eu disse que filme iraniano é uma chatice e que nem todos os jornalistas gostam. Seria bom ele mudar seus conceitos. Falamos sobre Plan 9, aquela delícia de filme trash. Assistiria um amontoado de vezes sem me cansar. Ele também. Ele me pediu que eu escrevesse sobre cinema aqui no bloguinho. Não sou uma expert no assunto (aliás, não sou expert em nenhum assunto. Eu sei de quase tudo um pouco e quase tudo maaaaal...), embora adore cinema, então vou falar o quê? Só se bem ao gosto deste blogue falar sobre Love Story. Cantando no ritmo da música do filme: tan-tan-tan-tan-taan, tan-tan-tan-tan-tan-tan-tan-tan-tan-tan-tan-taaan... chega de tan-tan. Perdão, amigo não analista, perdão, caros leitores, sou uma anta para comentar cinema-cabeça ou não-cabeça. Perdão nada. Blogar é jamais ter que pedir perdão.

2 comentários:

Angel disse...

Muito bom esse post! Estou eu e meu marido lendo e rindo demais! Bjos

marie tourvel disse...

Oi querida, que bom que gostaram. Voltem sempre. Beijos.