2/28/2008

Reinaldo Azevedo deixa Gerald Thomas entrar com tudo em seu círculo íntimo

Bomba! Bomba! Como diria nosso saudoso Ibrahim Sued. Vocês não leram errado o título, não. Os posts do Reinaldão explicarão tudo:
este,
este,
este,
este,
este,
este,
este,
este,
este,
este,
este.
E tudo terminou com essa coisa meiga, com a revolta de grande parte dos comentaristas insanos do Reinaldo. O comentarista Paulo Bocatto diz que jamais comentará por lá novamente. Disse adeus. No fundo a Dona Reinalda, que é quem modera os comentários de verdade, deu graças a Deus, já que o cara escreve tudo em caixa alta. Um amontoado de anônimos atônitos estavam sem palavras para expressar seus sentimentos. Eu havia comentado num dos posts em que o Reinaldo chamava o cabana do pai Tomás de bunda-seca. Ele é mesmo um bunda-seca, e daí? Por que virou amiguinho de telefone do Reinaldo deixou de ser ridículo com aquela cueca verde? Um dos comentaristas, indignado, fala revoltado que ajudou Reinaldo a espinafrar o diretor daquilo que o Tomás chama de teatro, e aí o Reinaldo chega e fica amiguinho dele. Pô, anônimo, tudo bem. Você não assinou mesmo. Que se dane se você escreveu que o cara tem a bunda feia e branca e que ele é feio e bobo. Eu escrevi pior. Escrevi que as peças do cara são um amontoado de merda e ainda por cima nós é quem temos que financiar a porcaria, já que ele pega dinheiro de estatais, usa e abusa da lei Rouanet. Quer dizer, nós financiamos as bobagens experimentais do Pai Tomás. E olha que eu assinei. Tá lá: Marie Tourvel.
Não ficou nem um pouco chato pro Reinaldão abrir seu canal (hummmm) de comunicação com o Gerald. Acho até civilizado os dois baterem um papo pela madrugada, desde que não façam séquiço por telefone, claro. Não que eu queira proibí-los disso, longe de mim. É que séquiço por telefone é muito chato. É bem melhor ao vivo e em cores, né não?
Meu querido Bruno Garschagen escreveu um post muito bacana ontem sobre o imbróglio. Vão lá visitar. Ele fala da bárbara Barbara Heliodora. Eu estava lá comentando e assinando: Marie Tourvel. Deixem de ser criançolas, senhores comentaristas do Reinaldo. Já dediquei um post para eles certa vez. Eles diziam na ocasião que nunca mais comprariam a Folha, que a Folha é uma droga lulista, que a Folha... yadda, yadda, yadda. Puxa-saquismo tem limite, caramba. O Reinaldo lê a Folha, viu? Ele pode não concordar com um monte de coisa, mas entende bem o que é o jornalismo do periódico. Se o Reinaldo conseguiu com todos estes posts fazer com que pelo menos metade dos comentaristas malucos não vá assistir às não-peças do Tomás, já é um grande feito para a humanidade. Eu diria que o Reinaldo é mais eficiente até que a bárbara Barbara Heliodora, pois seu blogue tem maior penetração (hummmmmm).
Comentaristas amiguinhos, não se preocupem, o Reinaldão continua o mesmo. Cabelos ele não tem quase nada mesmo, mas as idéias... ah, as idéias continuam as mesmas. Ele apenas deu uma lição de civilidade atendendo ao telefonema do Gerald Thomas. Claro que eu não perderia minha madrugada ao telefone com um homem feio e bobo daqueles, mas uns cinco minutos não me custaria nada. Eu ainda escolheria ao vivo e em cores um dos meus feinhos preferidos. Se pudesse escolher, naturalmente.

4 comentários:

Meg disse...

Chère Marie:
Num sei não, você posta e eu acho graça...
Tá bom assim?
Intão tá... volto depois pra ler todos os seus anátemas.
hohoho
Um beijo
Meglyn

Marie Tourvel disse...

Meglyn, querida. É que você é muito educada mesmo. Se ler lá embaixo, nos posts anteriores, não sou nada criatchiva. No máximo sou engraçadinha, mas não ordinária. Ih, misturei os Nelson Rodrigues. Beijos

Roger disse...

Essa história ficou parecendo o já vintage rififi da Rorô com a Zizi.

Marie Tourvel disse...

hahahaha. Nossa, Roger, tinha esquecido completamente do caso da Zizi com a Rorô. Aquilo, lembro, foi do balacobaco. Boa lembrança. Beijos