4/28/2008

Oblomov na veia

Teremos possivelmente o terceiro mandato. A popularidade do homem está na estratosfera. Claro, desde 89 ele está em campanha, ele nunca sai do palanque. Aí, ele sinaliza que não quer largar o osso -filé mignon, no caso. O último sinal foi dizer que 8 anos é pouco para fazer tudo o que o país precisa. Estamos vivendo uma estupidez mórbida. O fato é que a gente não vai se livrar dessa culturazinha esquerdizante que assola esta terra há tempos. Eu, por exemplo, já estou conformada. Mergulharei nos livros. Vou reler Oblomov. Sono profundo. Sono de Lexotan. Acordei desse tipo de sono há uns três anos, depois de uns 4. Acho que voltarei aos braços deste sono em breve. Naturalmente meus posts ficarão talvez mais escassos, mais rasos do que já são. Quando durmo este sono profundo, minha vidinha fica ainda mais boba. Talvez vocês lerão muito por aqui sobre spread, taxas, dólar. Quem sabe não transformo isso aqui num blogue de economia? Garanto a vocês que será bem melhor do que ler Dinheiro Vivo daquele inominável. Mas não se preocupem, mesmo em sono profundo, procuro o lado divertido da coisa. De sonhar, ninguém, absolutamente ninguém vai me impedir.
Ouçam o Frederico. É triste, mas é linnnnnnnnndo.

8 comentários:

Sabesselá Quem disse...

Olá Marie,
Adieu Tristesse (Etude in E, Op.10 No.3) by F.Chopin.
Sei que você talvez me ache ridícula, que veja minhas pegadas no seu blog... sigo réstias de luz...
Isso me faz sorrir.
Isso me faz chorar.
A música, pude ouvi-la, enquanto revia os passos de ballet, a seqüencia repetida exaustivamente.
Um sonho, que não se realizou, eu não virei bailarina, quase. Como "Frederico", ousei sonhar, fosse triste ou alegre.
Sabe o que o meu sonho falou para mim???
"Você não merece ser feliz assim... Não merece mesmo."
Rodando do verão para o outono, e de um anoitecer sereno para o sopro barulhento de um bombardeio.
No meu sonho, havia uma pessoa por toda parte, mas eu, o forasteiro, não podeira sentir-me mais só como se estivesse num deserto
Admiro você... bons sonhos Marie.

Beijo...

Sabesselá Quem disse...

Como no seu blog, alguém disse que: "Love is in the Air"...
Sente só:

" Apesar desse assédio, foi pela adolescente Maria Wodzinska, uma polonesa que conhecera menina, que seu coração bateu mais forte. Em 1836, ela residia em Dresden, na companhia dos pais. Chopin tinha estado com ela um ano antes, quando lhe dedicou a Valsa Op.69 nº 1 e ela não resistira agora à sua proposta de casamento. Mas a família dela não convalidou o noivado, temerosa da aparência doentia daquele jovem músico. De fato, no ano seguinte, Maria terminou a sua última carta a ele endereçada, dizendo: "Adieu. Não se esqueça de nós..." E ele, acatando a mensagem, misturou as páginas onde ela escrevera todas as suas notícias, às pétalas da rosa que dela recebera em Dresden; embrulhou-as e rabiscou: "Minha tristeza"."

Essa Valsa Op.69 nº 1, é linda. Outra seqüencia que guardo na memória.

Beijos...

Marie Tourvel disse...

Nossa, sabesselá, agora me emocionei... Obrigada pelo comentário e não te acho ridícula (o) pelo comentário. Adoro quando vem por aqui, viu? Beijos

Marie Tourvel disse...

Ai, sabesselá quem, que história... para uma romanticuzinha como eu isso é tudo... Beijos

sôdoida disse...

Minina, que coisa, essa história da sabesseláquem, né? Às vezes penso que os sonhos existem pra serem frustrados e nos ensinar alguma coisa - que eu não sei bem qual é. De qualquer maneira, não sonho muito, não, prefiro deixar meus pezinhos bem presos ao chão. apesar de que acho muito legal quem sonha e se dedica a realizar seu sonho ;-)
Agora, qto ao terceiro mandato quase certo do homem, conheço gente que já tá com o passaporte todo em dia, só esperando essa oportunidade pra picar a mula desse paísinho de BOXTA! rs :-|
Bjo, Marie (e um pra sabesseláquem tbm... rs)

Marie Tourvel disse...

Eu sou uma sonhadora incorrigível, viu, ShicaMaria? Mas, geralmente sei quando é hora de sair das nuvens. Quando perco a mão é um fiasco... Mas, meu passaporte italiano está prontinho, Shi. Eu dou pista daqui rapidinho. Beijos, querida

Alexandre, The Great disse...

Nossa, Marie! Que post apocalíptico, hein?
Se esta "profecia" se concretizar, vou procurar um "buraco" bem profundo para me abrigar. Mas acho que não será necessário, não. Algo bem "escroto" deve ocorrer antes disso.
Desculpe-me pela ausência injustificada, mas estou "combatendo" na Amazônia... rsrs.
Beijos,

Marie Tourvel disse...

Puxa, Alex, pensei que tivesse me abandonado. Chorei sua ausência. Que bom que voltou. Lembra do meu sorriso bizarro? Estou dando ele agora. Me leva junto para esse buraco, me leva? "Combatendo" na Amazônia? Pra lá eu não quero, não. Prefiro... Londres. Querido, de verdade estou muito feliz com seu retorno. Não some, tá? Beijos