5/29/2008

Concordando -em partes, com Diogo Mainardi

Infelizmente, nós da nova seita, temos que concordar com o Diogo em algumas coisas. Somos adoradores de música, claro. Porém, tem certas coisas que temos que concordar com ele -o Alfredo Borba dos dias de hoje. *Pausa para o parêntese* (não conhecem o Alfredo Borba? Ai... Lá vai: Alfredo Borba era um crítico musical que quebrava discos no Programa do Flávio Cavalcanti -não conhecem o Flávio Cavalcanti, também? Aí, não posso fazer nada, tá?. O Borba era bravo pra caramba e eu, uma criancinha na época, morria de medo dele. Ele era bobo e feio. Mas quebrou um monte de disco ruim dessa gente também ruim que ainda transita pela MPB (Música Popular Bananeira). Portanto, hoje, sem o medo que tinha, aplaudo o cara). *Fim do parêntese* Voltando no Mainardi, tenho a dizer uma coisa: hoje eu quebraria todos os discos da fase lovelove da Rita Lee. Vocês, não? Hoje eu quebraria todos os discos do filho fanho do Seu Sérgio. Vocês, não? Eu quebraria todos os discos do genro do filho fanho do Seu Sérgio -aliás, bem feito do fanho, desgraça pouca é bobagem ter um genro assim. Vocês, não? Quebraria todos os discos -um só, ainda bem, dos Tribalistas. Vocês, não? Então, em algumas coisas temos que concordar com o Diogo, não é?

Mas não podemos deixar o Diogo Borba Mainardi quebrar coisas como estas:



Isso a gente esconde dele. Aí o Flávio Cavalcanti não o chama pro programa. O quê? O Flávio Cavalcanti morreu? Quando? Puxa, luto geral por aqui, hein?

12 comentários:

A. disse...

O Lagarto é nosso e ninguém tasca. A igreja precisa de um profeta! Bem, de dois: um morto e um vivo. E quem falar mal deles ajoelha no milho consagrado - mesmo que seja um profeta maldizendo outro! Sacou, sacou?

A. disse...

Ah, e eu lembro do Flávio Cavalcanti. Bem, lembro de um dedo com uma unha comprida.

sôdoida disse...

Manazinha, eu morria de medo de TUDO que tivesse o Flávio n meio, vôte! Quando ele botava aquele dedão pornográfico pra cima, MEU DEUS! eu saía me escondendo no primeiro buraco (buraco = colo do papai, na época) que eu visse kkkkkkkkkkkkkkkk Poxa, num consegui ouvir a voz sensual do Dioguito, ó! :-S E eu quebraira todos esses discos aí junto contigo (ou então assumia a parte de levantar o dedão - o meu é enoooooorme!! :-|) Bjo, querida, bom finde!

Sabesselá Quem disse...

Olá Marie,

Que delícia... Tá parecendo restaurante grego. Adoro esse quebra-quebra.
Não, eu naõ quebraria os do filho de Seu Sergio, os do genro sim.
Eu quebraria os discos do Melro de Tres Corações. Você não? O da Sky também. Você não?

Beijo.
:)

Frodo Balseiro disse...

Marie, embora correndo o risco de choca-la, eu doei todos os discos do filho do seu Sérgio! Toda a sua (dêle) obra é datada, e depois que parou de cheirar e beber compulsivamente, não produziu mais nada minimamente aceitavel.
Eu me considero o Alfredo Borba pós moderno "destepaiz"!
bjs

Marie Tourvel disse...

Em primeiro lugar, perdão pela demora nas postagens dos comentários. Compromissos, compromissos... Querida, querida, A., e além de tudo, nossos profetas são lindos, né? Que João Batista, o quê, aquele barbudo ridículo. Os nossos têm mais vida e mais amor... E, saquei, saquei. ;)

Marie Tourvel disse...

Essa coisa da unha eu não lembrava, viu? Boa lembrança, querida... Beijos

Marie Tourvel disse...

Aeê, ShicaMaria, sabia que podia contar com você. Levante o dedão, sim. E deixe o trabalho de quebrar os discos pro Diogo Borba. Nosso profeta sentirá um prazer inenarrável. Criarei um post chamado: Quem tem medo de Flavio Cavalcanti. Chique, não é? Beijos, querida.

Marie Tourvel disse...

Quebraria, sim, sabesselá. E aqueles do homem que veio de Cachoeiro do Itapemirim, hein? Sem problemas, tem gente que gosta do filho fanho do Seu Sérgio. Mas o genro eu não te perdoaria... ;) hahahahahaha. Beijos.

Marie Tourvel disse...

Aeê, Frodo. Alfredo Borba pós-moderno. Gostei. Nosso profeta só dirá que você fez um mal a alguém doando isso, mas tudo bem, prometo não contar pra ele. E o que você disse sobre o filho do Seu Sérgio, tens toda razão. O cara era o Maradona da música popular banaeira e ainda acha que é intelequitual por gostar do Fidel Cazzo e do Cazzo caçula também.

QuincasB disse...

assim, marie: primeiro pular o boca-junior de petrópolis pra dizer q lá sou eu, olá!, mais algumas meninas, visita de novo q dá pra entender na boa

Marie Tourvel disse...

Bonjour, Quincas. Vou pra lá agora para entender. Mas já entendo que és um querido, viu? Um beijo grande.