6/08/2008

Sunday Morning

Essa é direcionada. Moço, é pra você, viu? Mas todos devem ouvir, pois a música é linda.
Tem que funcionar assim, ó: Você tem um problema. Ou ele tem solução, ou não. Se tem solução, resolve-se. Se não tem, esquece-se. Teve um tempo -bons tempos, aliás, que eu resolvia as coisas desse modo. Mas quando comecei a procurar respostas para tudo, só me lasquei. Acho que voltarei ao velho esqueminha. Ficar procurando resposta para abandono nunca foi uma preocupação para mim. Volto mais rápido do que vocês pensam. E se der acesso onde eu estiver, ainda farei algum post bacaninha. Beijos a todos. Vou até ali e já volto.

Nancy Wilson - I wish you love


...But most of all when snowflakes fall, I wish you love. Isso não é o máximo?

6 comentários:

Janaína disse...

Essa música é maravilhosa mesmo! Tem uma versão com a Rachael Yamagata bem bacana, você vai gostar. Beijoca.

Marie Tourvel disse...

Quase coloquei a versão da Rachel, mas achei a da Nancy um pouco mais alegre, tipo: "queridinho, seja feliz". HAHAHAHAHA. Preciso do deboche, né, Jana? O que seria de mim sem o deboche? Que bom que veio dar uma volta por aqui. Adorei, querida. Beijos.

Sabesselá Quem disse...

Oi Marie,

Que delícia... London London. Que tédio gostoso.
I wish you happy days and wild nights with delight.
E a música... uma gracinha... Já ouvi, muitas vezes com o Frank Sinatra. E ele canta mais um pedaço... indispensável a meu ver.
Começa assim:
"Goodbye, no use leading with our chins, this is where our story ends,
Never lovers ever friends.
Goodbye, let our hearts call it a day, but before you walk away,
I sincerely want to say."
E termina assim:
"All kinds of love, a whole gang of love."

Putz Marie, deboche não senti não. Mas que você está enfrentando algum exército, está. E brota em mim, uma vigorosa curiosidade... Assim tem sido. Some kind of Revolution, Marie?

Boa viagem e beijo.
:)

Marie Tourvel disse...

Oi, sabesselá, você não podia faltar. Muito obrigada, viu? Amante amigo o escambau, né? Indispensável essa parte que o Sinatra acrescenta mesmo. Enfrento um exército e aos 44 minutos do segundo tempo parece que as coisas estão se esclarecendo. O exército mandou uma bandeira branca pra mim. Sei que a curiosidade mata, mas não posso contar detalhes no blogue. É mais ou menos uma revolução. Tudo em minha vida parece que vai mudar. Que sei lá eu se será para melhor ou pior, mas sei que vai mudar. "Um dia ainda te explico direito" (ai meu deus, lá vem musiquinha):) Bom estou me preparando agora e volto logo, logo. Beijos!!!
E beijos a todos aí.

sôdoida disse...

Ai, manazinha, como eu ando relapsa, né? Mas a vida é assim mesmo, essa correria: marido doente (em casa, CLARO :-|), muito trabalho, pouco dinheiro, e a gente segue, né? Cara, revoluções são boas, não importa os seus resultados (tendeu? :-S rs). E fico feliz que os resultados da sua estejam sendo benéficos, visse? Manda essa porca miséria de coisa ruim à PQP - no mínimo vai desopilar... rs. Bjo, queridona!

Marie Tourvel disse...

Ai, ShicaMaria, quanta saudade de você... Marido doente em casa é punk mesmo. Se precisar de ajuda é só gritar. Fico longe só até a semana que vem, viu? Se possível leia o post mais recente. É de suma importância o que descobri nessa minha revolução. Beijos.