7/08/2008

Jornalismo (mudei o título mesmo, não se assustem)

Vocês todos, meus 4 ou 5 leitores queridos, já sabem do imbróglio das teles tão bem explicado por Diogo Mainardi e Janaína Leite. Vocês tem que ouvir o podcast do Diogo (08/07/2008) de hoje e ler os posts do Arrastão de hoje. Eu não colocarei o link do outro blogue, pois me dá nojo, enjôo. Mas acho que a gente até deve ler a outra coisa também para que nos indignemos mais. Será que dá pra ficar mais indignado? Esta é minha esperança, este é meu mote. Como... cidadãos? É isso mesmo? Acho que sim. Cidadãos indignados. Cada vez mais indignados.
Diogo Mainardi -sei que alguns dirão: "você não se cansa de falar dele?" E eu respondo: NÃO. E sabem por que? Porque ele vem falando desse caso há muito tempo. Ele consegue enxergar muito mais do que todos. A bronca dos lulopetistas com Diogo é o fato dele ter entendido bem antes de todo mundo exatamente qual é a deles. Diogo entende a "alma" petista como nenhum outro entende. Nem estou falando dos desonestos e aproveitadores chapas-brancas. Esses já se venderam. Falo de jornalistas encalacrados nas redações de grandes jornais que não tem a menor capacidade de estarem por lá. Diogo de seu apartamento em Ipanema consegue ser o melhor repórter político do país, mesmo se negando a se reconhecer como tal.
Janaína Leite -sei que também dirão: "você não cansou de abordar o Arrastão por aqui?" E eu respondo novamente: NÃO. E sabem por que? Porque assim como Diogo faz o seu trabalho na Veja, ela está fazendo um maravilhoso trabalho em seu blogue sobre o mesmo assunto. E vocês dirão: "estão juntos nessa?" É de gargalhar. Não, eles não estão juntos nessa. Cada um fez e faz seu trabalho separadamente. É que quando se está ao lado da verdade, as informações coincidem. Que coisa, não? Quando se trabalha para buscar fatos, o verdadeiro jornalista, o verdadeiro repórter, não floreia acontecimentos, simplesmente noticia o que sabe. Daí, a impressão errada de que eles fazem matérias em conjunto. E ainda tem a atenuante de nenhum jornalista ou repórter tentar correr atrás da história. Seria por preguiça, por incompetência ou puro servilismo? Acho que os três misturados. Mas Janaína Leite e Diogo Mainardi não tiveram essa preguiça. Então, todo trabalho do Diogo foi chamado de adivinhação. Por conta disso ele se autointitulou Oráculo de Ipanema, lembram-se? Mas não precisa de bola de cristal nenhuma para saber das coisas. O nome disso é trabalho. E trabalho em cima de fatos e de verdades.
Jana, querida, muita força e nada de esmorecer. Você é grande. Você sempre pode. E sabe disso.
Musiquinha de hoje da boa, pois depois da pamonha aí de baixo, tinha que contrabalançar de qualquer forma:



Por enquanto somos os "creeps" para eles. Let it be.

Atualização em 09/07/2008: quem entrou por aqui antes das 10 da manhã (horário de Brasília), sabe que apaguei um amontoado de coisas deste post. Talvez estivesse fora dos padrões do bom tom, talvez foi o medo que me veio pela manhã, talvez foi por amar tanto meu lindo moleque. Vou esquecer um pouco isso tudo. Acho que falarei um pouco de Flaubert, um pouco de Eça, um pouco de Shaw, um pouco de Nabokov... um pouco de literatura. Para desintoxicar, sabem? Decidi há um bom tempo que para a letargia não volto, embora uma pessoa quase tenha me levado a isso, mas olha, "pessoa", você não conseguiu, não. Você teve seu objetivo, nisso ao menos, fracassado.

4 comentários:

Fernando Sampaio disse...

Como se explica que a categoria da população supostamente mais bem informada (jornalistas) sejam tão facilmente enganados por razões ideológicas?
Não dá pra entender...

Marie Tourvel disse...

Pois é, Fernando, querido. Muitas vezes não é só questão ideológica, é bolso mesmo. Aliás, na maioria das vezes... Que bom que veio por aqui. Um grande beijo

Lelê Carabina disse...

É bom desintoxicar... aliás, é bom nem se intoxicar com o assunto. Que coisa, eu me sinto tão letárgica quando penso demais nestes assuntos políticos, não que a gente não deva pensar, mas parece que sugam as forças... bj.

Marie Tourvel disse...

Sugam, né, Lelê? Eu fico cada dia mais e mais sem energia. O pior é que se a gente ignorar por completo a gente perde o bonde da história. Mas eu vou sossegar um pouco, se não fico sem energia mesmo. Um geijo, querida.