10/19/2008

CINEMABRAS

Li um post do Reinaldo Azevedo neste instante (não dá pra lincar o post específico porque o blogue dele está com problemas, sei lá eu) chamado "O Nome Do Criminoso". Não é difícil encontrarem. Em um determinado momento ele fala da glamourização que a imprensa bananeira e o próprio bananeiro faz do bandido. Aí ele diz que em breve farão da história um filme daqueles patrocinados pela PTrobras ou pelo BNDES, ou mesmo por qualquer estatal lulista. Concordo plenamente com ele. Será inevitável.

Sugiro o seguinte: já que será inevitável a idéia de filmarem a história do transtornado assassino "Lindembergue", que seja pelas mãos de Guilherme Fontes de Renda. Ele recebe o dinheiro das estatais, recebe o dinheiro das empresas privadas através de Lei Rouanet e não filma nada, embolsa a grana e fica tudo certo. Assim preservaremos nosso direito de não assistirmos a mais uma romantização de um bandido. O que acham?

7 comentários:

Rose Marinho Prado disse...

Legal um texto do Reinaldo em que ele fala sobre a valorização da periferia e da musa de tudo isso, a "Regina Casebre".


E eu fico a pensar que, quando Oswald de Andrade escreveu que o povo ainda ia comer o fino biscoito da poesia dele,,,não imaginou que o biscoito agora é o funk de quinta.
E ai de quem disser o contrário, quer dizer, ai de quem disser que gostaria de levar Camões, Machado e essa "cultura de elite" rs até a periferia.
Tenho certeza de que os novos didáticos de Língua Portuguesa, que durante 2 décadas obrigara os alunos a interpretarem a publicidade, agora virão com as letras falando da cachorra ...
Dá medo discordar dos antropólogos novidadeiros.

Marie Tourvel disse...

Eu lembro deste texto dele, Rose, querida.
Você falou tudo. Agora a "onda" é esse funk horroroso, a glorificação da linguagem das periferias. Os "mano" e as "mina". Vivemos, infelizmente, nesta inversão de valores total por aqui.
Adoro seus comentários, minha amiga do iogurte. ;)
Beijos!

R. B. Canônico disse...

Ah, Marie, esse caso todo me deixou chateado de verdade. Estava na cara que este demente tinha entrado no AP para torturar a garota e matá-la. Foi o que ele fez.

Agora, fazer um filme com um pamonha canalha desse? Pamonha pq, francamente, a menina de 15 anos era mais madura do que este imbecial. E canalha por motivos óbvios...

Repare que a policia disse que temeu dar um tiro nele pela repercussao... claro, os 'Direitos Humanos' iriam reclamar... aí, deu no que deu.

Se isso vira filme em me mudo pra Itália (a cidadania ogo chega!)

Ótima semana!

P.S.: Eu não me mudo nao... esse tal de Brasil vicia hehehehe.

Marie Tourvel disse...

É isso mesmo, Canônico. O píor é que vira filme na mão de um dos Barreto, quer apostar quanto? :)
Eu morei na Itália. Se pudesse voltava com todo prazer, viu?
Aconselho todos que podem a ir embora mesmo. :)
Um grande beijo, querido.

Roger disse...

Já que a perda da grana é inevitável, essa é de fato a melhor saída.

Marie Tourvel disse...

Foi exatamente isso que pensei, Roger.
Guilherme Fontes de Renda já está de olho num roteirista da esquerda. ;)
Beijinho.

Marie Tourvel disse...

Um anônimo deixou um comentário neste post com o pseudônimo "linha".
"linha", se estiver lendo minha resposta quero que saiba que não posso publicá-la. Uma coisa é falar sobre algo que realmente ocorreu e que é de domínio público, outra coisa é jogar palavras no ar. E quem se ferra sou eu, como você mesmo colocou em seu comentário dizendo sobre as implicações jurídicas. Eu não uso nenhum programa que identifica o comentarista, nem por IP, nem por nada. Não faço a menor questão de saber quem entra aqui. Quem quiser se identificar, fico feliz, Mas quem não quer tem todo direito de se assinar anônimo ou com um nome qualquer. Só não posso ser leviana em colocar algum comentário que possa me prejudicar, está bem? Peço desculpas. Fica para uma próxima.
Saudações!