10/29/2008

Pocket Classic (2)



Ei, amigos milionários, sentiram minha falta, não é? Estou de volta. Andei dormindo além do que devia. Escrevo este post e volto ao meu sono. Escrevo este post com os olhos fechando, mas vamos nós -e com musiquinha hoje, hein? Por essa vocês não esperavam. Sou muito generosa como diz uns e outros.
Espero que tenha feito sucesso com o Ulisses. Hoje minha lição é sobre "Crime e Castigo" de Fiódor Dostoiévski. É um crássicão. Meu pai me fez ler com 13 anos. Não, millionnaire amigo, não era nenhuma prodígio, apenas meu pai achava que eu fosse. Reli com 17 anos e aí sim veio a luz. Aos 13, achei que era um policial, aos 17, um tratado psicológico. Hoje, sei lá eu o que quer dizer tudo, só sei que é um livraço. Leitura das boas. Mas sei que você não pode perder seu tempo -porque dinheiro sei que já perdeu o suficiente na queda das bolsas (mas confio em seu poder de recuperação). Pior eu que nem emprego tenho, mas isso não vem ao caso, não é relevante. Fico por aqui ouvindo músicas delirantes e me anestesiando. E, claro, ajudando vocês. Vamos ao resumão para você não fazer feio nas rodinhas dos phodões intelequituais:

Roskolnikóv está com o saco cheio de sua vidinha modorrenta e pobre. Sofre com a mãe viúva. Quer fazer algo em prol da sociedade e pegar uma grana. Resolve matar uma velha agiota com uma machadada. A irmã da velha vai no pacote por acidente. Se arrepende paca. Por influência de Sônia, ele resolve confessar o crime, vai preso e recebe uma pena leve por não ter antecedentes criminais e ter confessado o crime.

Basicamente é isso. O seu problema, querido milionário, é que os intelequituais mais phodões vão querer dissecar você sobre a psicologia intrínseca no romance. Diga que o mais importante no livro não são os assassinatos em si, mas a solução dos dramas humanos que Dostoiévski propõe. Diga que gosta de autores russos particularmente pelo ensaio psicológico que eles fazem de suas personagens. Se perguntarem sobre outro autor russo, cite Tolstói (pode ir na minha, ele é muito bom, também. Se perguntarem uma obra dele, não invente moda e cite a mais óbvia, Guerra e Paz. Mas não fale nada sobre o romance. Eu estou ajudando, mas é um livro por semana, tá? E não reclama que é de graça.) Não vá muito além disto. Se perguntarem algo mais a você, do tipo: "você não acha que... yada, yada, yada?" Faça um olhar blasé e retribua com outra pergunta: "mas é você quem acha isso, não é?" Sorria marotamente e peça licença rápido. Passe para outra rodinha.

Até a próxima semana.

Adendo 1: Milionário, não tenha preguiça, clique nos linques dos nomes dos escritores e LEIA. É sempre bom estar por dentro da vidinha deles, não é? Pode ser que se aprenda algo com sustância, sei lá.

(Quem quiser dar sugestões de crássicos da literatura para um resumão e explicação aos nossos amiguinhos milionários unlletered é só deixar um recado na caixa de comentários ou no mariemail.)

20 comentários:

ana v. disse...

LOL!
Marie, você é o máximo... curso intensivo de cultura geral para milionários... é de génio! Verdadeiro serviço público, hein?

Vou ficar fã desta série, para não fazer má figura nas salas...

PS: Gostava de ver o seu resumão do Ulisses, do Joyce... ou os milionários não chegam lá? LOL

beijo, querida.

Marie Tourvel disse...

Ei, querida Ana, que bom que tenha gostado. Mas sei que você jamais fará figura feia nas salas de jantar. Porque você é demais. ;)
O resumão do Ulisses foi no Pocket Classic (1) na semana passada. Se passar por aqui para ler minha resposta verá o linque:
http://asletrasdasopa.blogspot.com/2008/10/pocket-classic-1.html

Na semana que vem talvez tasque um Tolstói ou mesmo um Flaubert, que tal?

Beijos! :)

Rose Marinho Prado disse...

!

Raquel disse...

Que tal Proust? Já te adianto uma desculpa, se quiser usar... Sempre que me falam nele (li só o primeiro livro da obra principal) já vou avisando, "ai que vontade dar uma surra naquele guri manheiro sempre querendo beijinhos de boa-noite da mamãe!" Não preciso te dizer que ninguém perde tempo comigo no que se refere a Proust...

Paulo Cunha Porto disse...

Querida Marie Tourvel,
está desfrtando deste Seu admirador? Não sou milionário, apenas um pedinte, mas por causa do crash, isso hoje deve andar ela por ela. Então a Menina resume o romance que considero o melhor de sempre, e nem fala na frase-mestra "Se Deus não existe, tudo é permitido"? Até ser um Diabinho, suponho. Mas como sou crente, só há permissão para endiabrar aqui nos blogues, ehehehe.
E, por falar em Tolstoi, sabe que li a «Guerra e Paz» aos dez anos? Se não fiquei traumatizado com a Literatura, foi por ter muita vocação.
Gostava de ver resumido o D. Quixote. Atende o meu pedido?
Beijinho

Marie Tourvel disse...

Rose, Rose, minha amiga... :))))
!!!!!!
Adoro você.
Beijos

Marie Tourvel disse...

Puxa, Raquel, querida, Proust? Não deixa de ser uma ótima idéia. Falarei sobre um legítimo Proust nos próximos "Pocket Classics", já está anotado. Mas já vou avisando que tenho uma simpatia misteriosa por manheiros que pedem beijinhos pra mamãe. :))))
Bom vê-la por aqui.
Beijos!

Marie Tourvel disse...

Ei, Paulo, querido, estou desfrutando, sim. Tantas palavras carinhosas assim, adianto minha visita a Portugal. ;)
Que falha a minha não ensinar aos milionários a famosa frase. Ainda bem que você veio por aqui. Nossos amigos milionários lêem os comentários também.
Quer dizer que nos blogues pode endiabrar? Então, está bem. ;)
Você ganhou de mim, Paulo, Guerra e Paz aos 10 talvez eu não teria suportado.
Boa idéia. D. Quixote para a próxima semana. Prepararei um resumão de categoria. Só pra você. ;)
Beijos no meu admirador favorito.

Sabesselá Quem disse...

Oi Marie...

Sobre as soluções que Dostoiévski propõe... me conta uma?
Castigo para uns e "pena leve" para outros... vai entender.

Milionário... lembrei do Zé Rico. Parei. rs...


Beijos!
:)

Marie Tourvel disse...

Te conto, sabesselá, que o Dostô fez a consciência do Raskó latejar. ;)
Putz, Milionário e Zé Rico, uma graaaaaande dupla de dois.
Acho que na próxima escreverei billionaires, o que acha? :))))

Beijos e tenha uma ótima noite. ;)

R. B. Canônico disse...

Caramba, esse é o proximo Dostoievski que lerei. A maioria do pessoal começa por ele, mas li 'Irmaos Karamazovi' e 'Os Demônios' antes - aliás, este último é ótimo para quem detesta comunistas e outras 'istas' hehehehe.

Para mim, o maior romancista de todos.

Marie Tourvel disse...

Oi, querido Rodolfo -é Rodolfo, né? Pouco importa por qual Dostoiévski comece, o importante é ler. Realmente é um dos maiores mesmo, senão o maior.
Um grande beijo!

R. B. Canônico disse...

É Rodolfo sim! ;)

Léo e só disse...

Marie, Marie.

um dia um milionário te compra essa idéia e voc~e fica milionária!!!

que tal um desse títulos obscuros, que de obscuros não têm nada, pra nossos milio´narios ganharem um ar de cult/cool :D

abs

Marie Tourvel disse...

Oi, Rodolfo. ;)

Beijinhos

Marie Tourvel disse...

Fico milionária, Leo? É o meu sonho. Poderei, assim, andar com minhas legítimas hawaianas de saltinho numa praia paradisíaca e me lixando para olhares blasés. hahahahahaha
Olha, vou pensar em algum... (Marie pensando)

Já sei! Vou falar de Oblomov e Goncharov. Cê já leu? É muito bom mesmo. Mas na próxima semana falarei do Dom Quixote mesmo conforme prometi ao Paulo.
Um grande beijo. Adorei você por aqui. :)

Fernando Sampaio disse...

Tenho uma idéia para sua próxima série, você poderia ensinar intelectuais a ler crássicos tipo o livro da Bruna Surfistinha ou a ler Paulo Coelho...

Marie Tourvel disse...

Excelente idéia, Fernando. Já anotei e já pensei em incluir aí Sidney Sheldon, que tal? :))))
Acho que começarei esta série nesta semana que entra. Beijos e obrigada pela idéia.

Teresa disse...

Eu ia dar uma sugestão, mas a Raquel adiantou-se. Proust, nem mais nem menos! Olarila!

É obra de fôlego, mas podemos também ir para Stendhal, Le Rouge et le Noir, por exemplo... :) Ou outro à escolha... Que tal De l'Amour?

Ou Balzac...

Um beijo.

Marie Tourvel disse...

Teresa, querida, já está no forno o Stendhal, "O Veremelho E O Negro". Aguarde.
Proust também já tem um esboço. Você lerá num dos próximos capítulos o "Porta do Vento". "De l`Amour" é uma boa idéia. E Balzac vou preparar.
Adorei suas sugestões. Obrigada, querida. Volte mais, tá?

Beijos