10/24/2008

Quase Um Segundo



Não sou uma fã ardorosa do Paralamas. Ok, quando do primeiro disco deles, eu adorava. Tinha coisa bacana. Aí eles quiseram pular uma parte da história do The Police e partir para uma coisa meio Sting de ser. Aquela bobagem engajada no melhor estilo Raoni. Virou uma coisinha chata. Esta música que tasco agora, quando ouvi pela primeira vez, fiquei prostrada. Não sentia nada disso, mas me coloquei no lugar de quem queria ver o escuro do mundo. Quando ouvia: "quais são as cores e as coisas pra te prender...", eu imaginava alguém aprisionando literalmente o objeto de seu devotado amor. Remetia-me imediatamente ao livro "O Colecionador" de John Fowles, que sempre me meteu medo. Digressões, digressões...
Hoje, eu sei exatamente que quero ver o escuro do mundo, conquistar tudo o que ele quer, pra me transformar no que o agrada, no que me faça ver...
Será que ele ainda pensa em mim?

(Aí vem o diálogo interno, o mesmo que travei ontem dentro do meu carro no trânsito. Fantasiando coisas e uma voz que me censura sempre. Hoje a mesma voz diz: "Marie, Marie... pára de sonhar. Pegue seu banquinho e saia de mansinho".)

4 comentários:

JúliaML disse...

Não páre e continue a sonhar acordada, "para que o sonho seja verdade"como disse Pessoa

beijinho querida Marie.

Sabesselá Quem disse...

Oi Marie,

Sempre... é sempre bom voltar a escutar Paralamas. Mas concordo com você, fico com o primeiro disco também.
Vem cá Marie... se o que sobrou pra você foi sonhar e se sonhar te faz bem... não escuta essa voz não. Continua a sonhar, não custa nada.
Quando alguém mata um sonho muito querido... é tão triste.

Olha a alagada aqui dando palpite, pode!? "A arte é de viver da fé... só não se sabe fé em que..."
Se descobrir me fala, tá? ;)

Um grau negativo. Melhor dormir. Sonhar? Adoraria mas... puxaram meu banquinho. rs...




Beijos!
:)

Marie Tourvel disse...

É mesmo, Júlia, querida, não posso parar de sonhar. Minha cabecinha voa. Tenho alma libertária. Um dia um amigo me disse que fugiria com o circo. Eu lhe disse que eu também tinha esse negócio de fugir com o trapezista do circo. ;) Sonhos.
Beijos!!!

Marie Tourvel disse...

Pois é, sabesselá, eu gosto mesmo do primeiro disco... "só tô tirando chinfra com a minha lambreta..." Depois viraram uns chatinhos engajados. Tenho horror a gente engajada. Dá um aspecto de lulopetismo, sabe?
Restou-me sonhar. E a Júlia citou Pessoa, né?
Você pode dar todos os palpites que quiser. Adoro eles. :) Sou uma pessoa de "pocafé", infelizmente. ;)
Graus sempre positivos pra você, querida. Bate na pessoa que roubou seu banquinho, oras. ;)

Beijos!!!