4/16/2009

Je vous salue, Marie

Não sou afeita a bondades extremadas. Sou normal -embora muita gente considere o contrário. Tenho pena dos desvalidos, dos famintos. Mas daí parar meu carro para doar meu casaquinho de cashmere inglesa para alguém que está com frio na rua, percorre-se uma longa distância. Minha cota de bondade do mês encerrou-se ontem. Há duas semanas, minha manicure, a Luzinete (sim, toda manicure tem estes nomes esdrúxulos. Hoje em dia analistas de crédito, também), veio até minha casa, como é de costume, fazer minha unha. Sim, a Luzinete vem até mim, não vou até ela. Eu gosto da sensação de ter mucamas à minha volta, tratando de mim e tal. Quando ela chega pego sua bolsa de trabalho e escondo. Faço com que ela use somente ferramentas daqui de casa. Jamais deixaria que ela utilizasse aqueles alicates que ela deve usar em pés rachados e micosentos. Ela reclama. Diz que meu alicate não é afiado o suficiente. Digo a ela que ao menos meu alicate não arrancará sangue. Ontem mesmo ela queria pintar minhas unhas de vermelho. Eu disse: JAMAIS! Marie não usa esmalte vermelho em nenhuma situação. Marie é discreta. Pelo menos com suas unhas. Mas ela estava com vontade de caçar. Então, ela resolveu que por cima do esmalte clarinho, em meu dedo mindinho -ela usa esse termo para o dedo mínimo, deveria colocar uma pedra de strass. Veja bem, não sou mulher de strass. Sou mulher de diamantes. No máximo aceito um swarovski. Mas ela insistiu. E eu, boba e bondosamente, aceitei. Meu dedo mínimo agora possui um indefectível strass. Antes Luzinete vinha duas vezes por semana fazer minha unha. Agora vem uma só vez. A crise. Colaboro e economizo. Há duas semanas, durante sua visita por aqui, ela disse que estava passando dificuldades. A crise. Além do serviço de manicure, resolveu vender coisas. Insistiu para que eu visse o catálogo. Quase morri. Avon. Disse a ela, delicadamente, que minha cútis não merecia tais produtos. Minha pele é muito sensível para certos produtos. Certos produtos só se adaptam em peles de Luzinetes. Mas ela insistiu e eu abri o catálogo morrendo de medo que saísse a mulher do Edward Scissorhands de lá de dentro. Resolvi ajudar. O duro foi escolher quais produtos eu compraria. Atenuante para rugas a jato, atenuante de olheiras milagroso, pó compacto que some com ruguinhas indesejáveis... enfim, um maravilhoso mundo dos milagres. Eu nunca gostei de muita maquiagem. Acho brega. Mas não dispenso um lápis, um rímel,um corretivo e um batonzinho clarinho. Mas tudo Dior, meu bem. Mas a Dior está os olhos da cara. A crise. Escolhi 5 produtos. Uma conta de exatos R$ 138,80. Sendo que na Dior só um rímel custa umas duzentas pilas. E embora não pareça, não acho de bom tom esfolar até o pescoço Monsieur Tourvel. Até o tórax está de bom tamanho. Ontem Luzinete me trouxe os produtos. Eu já não lembrava que os havia escolhido. Não sabia mais a utilidade deles. Paguei. Aí, Luzinete não satisfeita disse-me que tinha um creme ótimo para o corpo. Alto lá, Luzinete! Para o meu corpo, só L`Occitane. Não há crise que me faça usar creme Paixão da Xuxa. Agora estou aqui escrevendo estas mal traçadas linhas e ao meu lado os 5 produtos que naturalmente não usarei. Eles olham pra mim como se dizendo que é a nova realidade. Eu olho para eles relutando. Dizendo que eles não merecem minha cútis. Acho que meu último ato de bondade será doá-los para a Luzinete revendê-los. Além de patilene, sou alérgica. Mas, vá lá, bondosa.

Música para Luzinete de esmalte vermelho, strass no mindinho e cremes Avon. Ela me diz que seu marido, Cleston, toca esta música no aparelho de som quando quer fazer um amorzinho gostoso com ela:



Fazer amorzinho gostoso ao som dos irmãos pirobos Kleiton e Kledir é cafona, porém, funcional. A Luzinete diz ser uma experiência alucinante. Preciso experimentar. Vamos ver.

34 comentários:

Patti disse...

Adorei esta crónica da vida real; cinco estrelas!

E sabe que aqui em Portugal se diz mindinho?

Beijinhos de Lisboa, Marie.

Marie Tourvel disse...

Gostou, Patti, querida? Fico feliz.
Aqui também se fala mindinho, mas a gente finge que só as Luzinetes falam. ;)

Beijinhos de São Paulo, Patti.

Patti disse...

Ah, então tenho de lhe mandar uma lista Portuga, do que as nossas Luzinetes dizem e 'as outras' não podem dizer!

Rose disse...

Até mais ou menos a era Collor eu usava produtos de toucador , caros. Mas o caro aí , ia pra Max Factor, Helena Rubinstein.
Hidratante, basicamente,pra tudo que é lado do corpo. Batom, sempre vermelho que é para eu ver melhor.

Depois,já faz tempo, tive de adaptar-me à Avon e outros no mesmo nível. Mas, junto a esses produtos , acrescento umas máscars de abacate, ou mesmo um hipoglós na cara, ops , face. É legal. Arovit...óleo de ricino.
...Não ligo , Marie. Eu sou , como dizia a escritora - cujo nome dei à minha cachorra - Clarice LIspector, ou seja, uma camponesa - que ela não era mas sentindo-se assim. Ora , pois, dizer ouvir estrelas.
...............Só não usei o Davene, por causa do cheiro,os muito baratos dão náuseas. E, na minha idade, praticamente não resolvem nada.Melhor o hipoglos com abacate e germen de trigo.

...Uma vez a mulher dum médico esotórico - a q recorro e momentos de sangue e suor- me disse, assim desdenhando os avons sobre a mesa ( eu comprava da recepcionista dela): "Gasta dinheiro com melecas e mais melecas".
De fato, são melecas. Mas cresci com mamãe me dizendo que eu devia usar 'erase' para olheiras ...e que devia fazer plásticas aos 15 p causa das orelhas de abano. ...

Das bondades? Eu ajudo mendigos. Mas só os que têm problemas mentais. Não sou boa. Não é o caso, eu vou ajudando , pq sei que o cara não vai ter trabalho. É um tipo de louco que não consegue trabalho.

...........
Mas Luzinete gosta de luz, p isso espalhou-a sobre suas unhas.

.............

Eu sou simples Marie e piedosa. Detesto joia . Prefiro uma cordinha de couro no pulso. Acho que sou mais santa que você. Mas com a rima do batom vermelho. Cafona e sanfona quando tudo começar a preguear.

Beijos

* não vou reler o que escrevi, se tiver aberrações , releve.

Sylvie disse...

Muito, muito, muito, muito bom. Tão bom que nem K&K - esses aniquiladores de amizades - o arruinam. Tão bom que a Luzinete ganhou Avon - que eu me ralo para comprar, já que os dois senhores Devereaux são uns unhas-de-fome daqueles. Eles ou as mulheres deles, tanto faz. Ah, e merci pelo link. Bisou. ;)

Shi disse...

Sem palavras, Marie. Meu irmão que tá aqui me ajudando num trem já disse umas trocentas vezes que eu sou louca, pq fico gargalhando sozinha. Mal sabe ele que eu chorei, manazinha (e eu que gostei tanto do "... e ninguém vai nos perdoar")
Enfim!
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
:-|
Bjo!

Marie Tourvel disse...

Aguardo ansiosamente a lista, Patti. :)

Mais beijos, querida.

Marie Tourvel disse...

Jamais seus comentários contém aberrações, Rose, querida. Eu já disse e repito, quando não vem comentar por aqui, sinto falta.

Quanto aos produtos, deixa pra lá. Acho que terei que me acostumar com a nova realidade. ;)

Beijocas!

Marie Tourvel disse...

Que honra recebê-la, Madame Silvia Devereaux. Muito prazer. Sempre quis conhecê-la, mas algo me impedia de comentar lá no seu aconchegante Paris, Pinheiros. Vejo que nossa descendência francesa nos aproximou, não é? ;)
Se quiser posso lhe dar conselhos para lidar com esses Devereauxs avarentos. Monsieur Tourvel já domestiquei há muito tempo. Se ele quiser continuar comigo, tem que ser do meu jeito. :)

Lincaria mais mil vezes seu blogue, querida, já que sou fã daquele espaço.

Volte sempre aqui no cafofo.

Bisous!

Marie Tourvel disse...

ShicaMarie, querida, convide seu irmão para participar aqui das minhas "Letras". Diga a ele que pode até se usar um pouco de maquiagem Avon, mas jamais perfume barato de parquinho. :)))))

Chora não, linda amiga, porque como diz a frase do adesivo do Chevete 76 que quase bateu em meu carro hoje, "nóis capota, mais num breca". :)))))

Beijos!

Mike disse...

Ri muito com este post, Marie. Olhe, passe por essas experiências todas de uma vez - unha pintada de vermelho (se tem pé bonito até que deve ficar bem...) e essa experiência cafona-alucinante e depois conta para a gente, vai... (risos)
(Pedido sem esperança de ser bem sucedido, a uma mulher recatada e discreta, se bem que bagunceira... não fui eu que falei isso... mais risos)

Rose disse...

Ainda:


odeio Clayton& Cledir, Marie. O texto ficou consistente. É bem a fala da nobreza. Marie , a personagem , é assim.

Mas você - criadora, escritora, empresária da Marie T. é assim mesmo?

Marie Tourvel disse...

Mike, querido, meu pezinho é um primor, mas não aceita nem esmalte vermelho e nem band-aid. ;)

Eu conto só se foi alucinante, combinados? A minha discrição não permite maiores detalhes. Eu posso ser bagunceira, porém, nada alucinógena. :)

Mil beijos!

Marie Tourvel disse...

Rose, minha querida amiga, cê sabe que com meu alter-ego o buraco é bem mais embaixo, né? Mas não posso revelar muito sobre ele, pois perde a graça. ;)

Mando por e-mail uma resposta mais consistente, combinadas? :)

Beijocas

Gerson Guelmann zs disse...

É de arrebentar de rir. Pode ser real ou não, não importa. Fantástico.
p.s.: colé a tua, guria? Claro que é mindinho!

Marie Tourvel disse...

Fico especialmente feliz quando meus leitores riem de minhas mazelas, Gerson, querido.

Ainda mantenho o decoro e não chamo o dedo de mindinho. Fica assim meio São Bernardo do Campo, sabe?

Um abraço.

Gerson Guelmann zs disse...

Mindinho é totalmente Curitiba, também. Preciso te mandar uma lista das expressões idiomáticas locais. Você terá assunto para uns 30 anos.

Marie Tourvel disse...

Pois fico no aguardo das expressões pitorescas de Curitiba, Gerson, querido.

Só não quero viver por mais 30 anos. Acho cafona, também, ficar muito velha.

Shi disse...

Vim ler de novo e ri mais um bocado. Aproveitei e visitei M'me Devereaux e deliciei-me com a moça (vcs, francesas... rs) Bjo, querida, bom finde!

Gerson Guelmann zs disse...

Calma aí, garota. Para quem acabou de sair da creche, 30 anos não é nada. De minha parte pretendo ir apenas até o finalzinho deste século, depois decidirei com calma. A propósito, aqui vai uma piada do humor judaico:

A velhinha, já na casa dos "90 e dercy gonçalves", chama o médico para ve-la em casa. Terminado o exame, pergunta:
- "E então, doutor, o que o senhor me diz?"
E ele, sem ter muito o que dizer a alguém em tão avançada idade:
- "Bem... A verdade é que não tenho como faze-la ficar mais nova".
E a paciente, sábia porque velha:
- "Desculpe, doutor, mas acho que o senhor não está entendendo. Eu não lhe chamei porque quero ficar mais nova; o que quero é ficar mais velha."

Marie Tourvel disse...

E não é que o blogue da Madame Devereaux é uma das melhores coisas que apareceram nessa blogosfera em anos, ShicaMaria, querida? Eu adorei, por isso linquei nos queridinhos. :)

Beijocas

Marie Tourvel disse...

Você é muito gentil, Gerson, querido, mas continuo achando cafona, para mim, viver mais trinta anos. :)

Gosto muito do humor judaico. A piada é ótima. :)

Um abraço da Marie

Mike disse...

Galera, vocês vão me desculpar, mas eu tenho quase meio século de vida e desde pequeno que oiço falar mindinho em Angola, onde nasci. ;)

Marie Tourvel disse...

Mike, meu querido, o caso do mindinho foi só uma brincadeira, uma ironiazinha que ninguém é de ferro. É que como você sabe, o presidente desta terra, "o cara", não possui o dedo mindinho em uma das mãos. E ele fala que não tem esse dedo mindinho como se fosse um troféu. Por isso disse que fica meio São Bernardo do Campo, terrinha onde ele começou com seu sindicalismo rasteiro. É só isso. De resto, Marie fala mindinho, sim. E o alter-ego dela, também. ;)

Perdoe-me se confundi as pessoas. :)

Beijos!

Mike disse...

(ridada)
Menina... você é bagunceira mesmo. (muitos risos)
Bom final de semana, Marie. É sempre prazer lê-la. :D

Marie Tourvel disse...

Eu gosto mesmo de uma bagunça, Mike, querido. ;)

Bom final de semana pra você, também. Sobre prazer de desconversar por lá, nem preciso dizer nada, né? ;)

Beijocas!

RAA disse...

...Cleston é muito bom, melhor que Luzinete :|

Marie Tourvel disse...

Ricardo, querido, criatividade para escolha de nomes aqui do Bananão não tem limite. ;)

Bom que veio por aqui, hoje.

Beijos!

Rose disse...

Fui criada p uma mãe q ama o Belo, obsessivamente. E, porque nascesse com alguns problemas estéticos - dentes p fora, andar meio torto, orelhas de abano, pequenas mas de abano - fui acusada, rejeitada.

Então, nunca ajeitei tudo e nunca fui amada. Mas herdei o olho de ver belezas. E render-me a elas.
P isso o q tenho feito na vida é lavar esses 'zóio' , no vinagre.
Andando p SãoPaulo, vejo feiúra e mais. Não de caráter, digo assim, de gente feia, cinza, curvada, macilenta...

E, Marie, de tanto esfregar esses dois olhos tenho me ensinado a gostar de que é feio ( não pra ser boa... Pq, se não fizer isso, perco um quinhão da vida,um lugar na plateia, uma hora de entender os mistérios dos outros.

Quando li este post fiquei assustada com aquilo de La Touvel, você, pensar no horror dos pés ... ver lá no seu post. KKKK
Este texto foi forte; a sobreposição da pessoa X personagem.
Um jogo interessante. Faça mais vezes.

Marie Tourvel disse...

Gostou do jogo, né, Rose? Farei mais vezes, prometo. ;)

Beijos!

léo e só disse...

Oi Marie

Meus Dedinhos: Mindinho, Seu vizinho, Pai de todos, Fura abolo e Mata piolho. ;D

Beijos

Marie Tourvel disse...

Leo, que saudade de você, querido.

Você me fez lembrar a Eliana dedinhos... "Dedos médios, dedos médios, onde estão?, aqui estão. Eles se saúdam, eles se saúdam e se vão e se vão..."

:)

Um grande beijo.

Fernando Sampaio disse...

Marie, esta crônica foi demais... Estilisticamente e humoristicamente.
Acho que você devia inestir nesse talento.
Bisous

Marie Tourvel disse...

Um talento meio torto, né, Fernando, querido? Mas ainda assim, um talento. E receber um elogio de você que escreve tão bem é uma honra. ;)

Adoro quando vem por aqui, não preciso nem dizer, né?

Bisous!