5/26/2009

A arte da banalidade

Seres interessantes desta internet de meu Deus tornaram-se banais. Alguns lampejos de graça, mas no geral, banais. Pensei que eu fosse banal. Mas relendo alguns textos meus percebi que posso ser por vezes óbvia, piegas, choroca, sem-graça. Por vezes escrevo em português errado e de forma empolada. Posso ser prolixa paca. Por muitas vezes, até burra. Mas, noves fora, não sou banal. Gentes profissionais estão banais, dizem frases banais. Estranham o mundo de Beakman. E como diz minha amiga K..., eu sou ridícula, mas vocês, banais, também o são. Esfole, mas não prejudique.

A seguir uma música que amo. Que quando toca, saio a bailar. Mas é banal (Podia ser pior. Podia ser Mandela Day, que além de ridícula como eu, é banalíssima):



ADENDO: Pocket Classic no Porta do Vento. Oblomov de Goncharov. zzzzzzzzzzzzzzz. Ai que preguiça. Ai que sono. E a trilha sonora pro Oblomov e pra mim. E pros seres banais, também. Nada como ter um milhão de amigos e dentre eles, muitos médicos. Eu consigo a recei-ta, vocês, banais, nã-ão. lálálálálálá...

8 comentários:

Fernando Sampaio disse...

Melhor banal do que bananal, né não?
Bisous

Min disse...

Ai, ai... Pode crer. E, pior, estou com terrível sensação de estar me tornando um 'ser banal'.

Beijos, linda!

Min

Marie Tourvel disse...

É verdade, Fernandinho, lindo. Mas eu acho que a maioria banal é bananal, também.
Você não é nem banal e nem bananal. Você é o máximo. ;)

Beijos

Marie Tourvel disse...

Eu também, Min, mas a gente não pode dizer isso. Repita comigo: não somos banais. (Imagina um monte de gente lendo e rindo muito da gente) :))))))

Beijos e saudades.

Mike disse...

Marie, posso repetir com vocês?... EU TAMBÉM NÃO SOU BANAL... posso até ser ridículo, escrever em português errado e por vezes até burro. Mas banal, não! (risos)
Nem banal, nem piegas, nem choroca, que cabra macho não chora. (mais risos)
Já me diverti muito com esta sua arte da banalidade. :)

Marie Tourvel disse...

Você não é banal nem aqui e em nenhum outro lugar, Mike. Você é um lindo. :)

Que bom quem você está se divertindo. Essa arte diverte mesmo. ;)

Beijocas!

léo e só disse...

oi Marie.

nossa , coicidência. Acabo de colocar um textico lá no blogue e logo depois vem vc ocm essa puxada de orelha na banalidade.

Reponda -me em pùblico: eu não sou banal, né? só um pouquinho molenga?

abs e beijo

PS: no meu email pode descer o sarrafo. :D

Marie Tourvel disse...

Banal, você, Leo? NUNCA! E você já sabe que é meu ficionista preferido, não sabe? Vou correndo lá ler seu post, meu querido amigo.

Beijos pra você e pra Nanci.