1/22/2009

Marcelo Coelho - um bananeiro bonzinho

Reinaldo Azevedo, João Pereira Coutinho, Luís Felipe Pondé e Demétrio Magnoli foram considerados feios e bobos e pessimistas e catastróficos por Marcelo Coelho, a Supernanny da Barão de Limeira, naquele velho prédio de pastilhas amarelas. Reinaldo Azevedo fez seu vermelho e azul sobre o texto canalha do moço bonzinho -aliás, um azul de respeito, só para variar. Marcelo Coelho já mereceu dois posts em meu blogue quando ele considerava a discussão sobre os gastos dos cartões corporativos café pequeno. Este e este. Eu o aconselhei que falasse, então, de coisas grandes, já que ele é articulista lá da Barão de Limeira, do maior jornal do país. E falar de coisas grandes era falar sobre as teles. Mas o garotinho assustado com o elástico na orelha não disse uma palavra sobre o café grande. Sobrou para os feios, bobos, pessimistas e catastróficos falarem. Fazer o quê? O garotinho assustado tem medo de ser chamado de feio e bobo por seus coleguinhas de esquerda, os esperançosos, os otimistas stalinistas.
Fui a um debate, certa vez, no teatro da Folha sobre o filme Tropa Dazelite. Estavam presentes o cineasta "vai pra casa" Padilha, Gilberto Dimenstein, Barbara Gancia e, claro, o ginasial Coelho. Na ocasião pude ouvir as considerações dele no debate. Toscas, claro. Na época, um amigo que trabalha no grande jornal defendeu o Coelho, dizendo que ele até elogiou o filme. Não dei muita bola para o que meu amigo falou, pois sei que ele defende até o último fio de cabelo -e olha que são vastos, seus colegas. Não que considere errado isso. Eu também defendo o direito da diversidade de opiniões (isso mais parece uma frase esquerdista, né?), mas quero o meu direito de discordar e poder espinafrar quem escreve por lá ou por qualquer órgão de imprensa. Mas na ocasião do debate não foi bem isso que ouvi de Coelho por lá, não. Aliás, vi até um Padilha tão assustado, recuando em sua opinião sobre o BOPE que saí no meio do debate seguindo para um outro compromisso. De Gilberto Dimenstein, o ongueiro chique, não podia esperar grandes coisas, claro. Se Suplicy é o Mogadon da política, Dimenstein é o Lexotan do jornalismo engajado.
Acho que sou sombria, não é? Acho que sou pessimista, também. Acho que porque defendo Israel e sua democracia sólida no meio daquelas ditaduras horrendas e terrorismo nojento sou uma adoradora de massacres de criancinhas. Mas a única coisa que não me assusta é a crueldade dos meninos e meninas do ginásio. Portanto, não serei a Flora que assassinará simbolicamente meus antigos coleguinhas. O Marcelo Coelho poderia dizer que fui uma das cruéis no ginásio. Mas isso só eu e meus caros coleguinhas é que sabem. Seus textos são de uma pobreza intelectual que dá medo. Mas mesmo assim, ao contrário dele, não quero bani-lo da Barão de Limeira. Afinal, de quem puxaremos o elástico da cueca? Apesar que existem tantos para fazermos isso, não é? Aliás, a grande maioria. Mas sem sombra de dúvidas, Coelho é o mais caricato. E olha que o Rabbit não citou o Diogo Mainardi -milagre dos milagres. Medo de tomar uma dedada no olho na coluninha do moço mais feio e bobo e pessimista e catastrófico do Bananão. Eu me divirto muito com essa Supernanny, isso sim.

(Que postezinho mais cheio de linques... Sei que isso é enjoativo, mas não consegui fazer melhor. Perdi a mão, sei lá. Se eu já era preguiçosa, com a longa temporada praiana fiquei ainda mais.)

12 comentários:

Rose disse...

Marie rs
Ontem chegou a Folha ( assino). As mãos da minha mãe vieram ávidas: "Da aqui pra eu fazer palavras cruzadas"
Fiquei invocada: "Você acha que a Ilustrada é lixo? Eu leio." E virei a última página, onde vêm os textos maiores.
Ela: "Marcelo Coelho? Tá louca?" E saiu com a Folha, assim, andando ...
Não li o texto ao qual se refere.

Philippe disse...

Marie, como é bom ter seus posts de novo! E eu concordo completamente com cada linha escrita. É por textos como este que eu acredito q sua ausência faz um mal danado à gente civilizada do Bananão! Um beijo! E bem-vinda novamente à bordo!

Marie Tourvel disse...

Rose, querida, poderia dizer a você que não perdeu nada. :) Mas acho que perdeu, sim. Perdeu a oportunidade de ler o texto de um garotinho assustado e dedando seus coleguinhas pro diretor da escola -assim como disse Reinaldo Azevedo. Ser feio e bobo e pessimista e catastrófico não é, definitivamente, para qualquer um. Somos (ai que medo de falar isso), direitistas "reaças". :))))

Beijos, querida.

Marie Tourvel disse...

Cê viu, né meu querido Philippe? Bem que eu tentei ser de outro, mas não consegui me desvencilhar desta pocilga. Coisa de gente como eu, fraca. Como diria o Efelentífimo, sou uma verdadeira metamorfose ambulante -a autoria da frase não é mais de Raul Seixas, mas sim do nosso Deus Supremo, Efê. Obrigada por seus elogios. Sei que não sou merecedora. Mas "a gente vamos tentando".
Não sabe como é bom recebê-lo por aqui, querido.
Um grande beijo, meu amigo.

Marcos disse...

Olá Marie, tudo bem!
Que bom ve-la de volta em grande estilo.
Repare como o Coelho é a cara do Woody do Toy Story.
Bjs e sucesso em 2009!

Marie Tourvel disse...

Oi, Marcos, querido, tudo bem comigo, sim. E com você?
Não tinha associado o Rabbit com o Woody, mas agora olhando bem... é mesmo, né?
Estou muito feliz com sua visita e desejo tudo de bacana pra você em 2009.
Beijos!

QuincasB disse...

run rabbit, away, olá marie

Marie Tourvel disse...

Bonjour, Quincas. Tudo bem por aí? Feliz com sua visita.
Beijos!

Marcos disse...

Olá Marie,
O coelhinho tentou se retratar mas, só fez piorar sua situação.
Coitado, deve ter levado muita porrada na hora do recreio quando era criança.
bjs

Marie Tourvel disse...

Marcos, querido. Li agora o novo vermelho e azul do Reinaldo, assim que vi seu comentário. Obrigada pelo toque. Não costumo comentar no blogue do Reinaldo, mas tem certas coisas que não consigo me calar. Acho que o Coelhinho me leu:
"Ah! O Coelhinho me leu. Agora citou o Diogo. De medroso dos ginasiais passou a corajoso? Não! Balela. Talvez Diogo não gaste sua coluninha na Veja com o garotinho que tem medo de dedada no olho. E reafirmo o que disse ontem: acho realmente lastimável ter um articulista tão pobre, intelectualmente falando, lá na Barão de Limeira, mas ainda assim, não quero bani-lo de lá. Quero apenas o direito de contestá-lo e ser feia e boba e pessimista e catastrófica e... realista. O meu realismo. Simples assim."

Essa Supernanny me diverte, mas me cansa, também. :)

Beijos!

Raquel disse...

Os belos que me perdoem mas prefiro os feios, pessimistas e malvados. You know, every savage can dance...

Marie Tourvel disse...

Eu também, Raquel, querida, eu também... Por isso que eu gosto tanto de você. :) Feliz com sua visita.

Beijos!!!